De Foza a San Giorgio in Bosco(Pádua) (Portoghese) - Traduzione di Ricardo Marcolongo Melo

De Foza a San Giorgio in Bosco (Pádua)- (Portoghese) - Traduzione di Ricardo Marcolongo Melo

Agora da família MARCOLONGO de FOZA seguimos o ramo do MARCOLONGO de VALCAPRA-NAP-MASCARO a partir de Cristiano Marcolongo em 1776 que encontramos documentado no cartório paroquial de Foza, cujos descendentes no início do século XX começaram a se estabelecer e a comprar terras em San Giorgio in Bosco (1900-1911), Cadoneghe (1919), Villa del Conte (1929-1948), Sant'Anna Morosina (1935), passando de pastores a agricultores.

Para pagar as suas dívidas Marcolongo Natale foi trabalhar durante sete anos na Alemanha e Valentino na América.

Nos primeiros anos de S. Giorgio em Bosco a Família viveu na casa de Zulian, depois em 1911 foi feita uma bela pintura da Sagrada Família pintada por cima da porta da frente. A água potável era retirada de uma pequena nascente localizada em frente à ponte Zuliana, ou de outra vala entre os campos de Valentino Marcolongo e Zulian. Para o “gado”, no outro lado, eram tiradas no riacho Chioro.
Mais tarde foi instalada uma bomba manual e, por volta de 1920, o poço artesiano, que fluía 1 hectolitro de água muito fresca por minuto até aos anos 80. A chegada da água "Vera" marcou o seu fim.

Depois do fim da 1ª Guerra Mundial (1915-1918), como agradecimento pelo regresso dos soldados, a família construiu um “altar” dedicada à "Madonna delle Grazie" construída junto ao portão da casa na Via Ponte Sauro, agora Via S. Nicolò.

Na manhã de 29 de abril de 1945, os alemães em retirada levaram uma bela égua negra chamada "Roma", nunca esquecida, deixando outra em mau estado e um par de bois mortos bombardeados pelos americanos Na Villa del Conte. A 2ª Guerra Mundial terminou, como é bem sabido, com o trágico massacre de Castello e Godego que, felizmente, poupou a nossa família.

Em 1962 a Intendenza della Finanzia decidiu reembolsar os danos de guerra aos bens agrícolas com a soma de L.33.040.

A transumância que em dois dias de S. Giorgio em Bosco, com uma parada em Valstagna e depois, atravessando o Piangrande, levou as vacas para os pastos de Marcesina, durou até os anos 50.

O aumento do tráfego rodoviário após a guerra já não permitiu que o gado se deslocasse ao longo do Valsugana, pelo que o transporte por caminhões começou.
A antiga casa em Valcapra tornou-se então uma segunda casa onde as várias famílias levavam as crianças nas férias, partilhando por sua vez os quartos.

Ao lado da agricultura tradicional com pastagens, trigo, milho e a criação de vacas, ovelhas, cavalos, porcos, animais de quintal, em S.Giorgio em Bosco foram produzidas quantidades consideráveis de vinho “Clinton”, “corbinello” e durante cerca de dez anos após a guerra, também foi produzido tabaco.

Uma fila de amoreiras que ainda sobreviveu ao advento da mecanização agrícola que levou ao corte das videiras suportadas pelo ópio (ácer do campo), testemunha um período próspero de criação de bichos-da-seda.
Com a divisão de 1957, todas as propriedades em comum são atribuídas como as conhecemos hoje.
Finalmente em 1960 a última ligação com Foza foi cortada com a venda das propriedades de Foza-Valcapra.

Torna indietro

Copyright 2020 Famiglia Marcolongo.
Questo sito web utilizza i cookie per assicurarti una migliore esperienza di navigazione. Chiudendo questo banner, o interagendo con questo sito web, acconsenti all'uso dei cookie. Ulteriori informazioni
OK