Foza, uma comunidade uma história - Origem do sobrenome Marcolongo (Portoghese)

Foza, uma comunidade uma história - Origem do sobrenome Marcolongo (Portoghese) - Traduzione di Ricardo Marcolongo Melo

Foza - Uma Comunidade uma História
Impresso no Officine di Bertoncello Artigrafiche in Cittadella (Pádua) em Julho de 1991, pelo Comitato Promotore per la Storia di Foza.

(pag. 347-350) – ANTIGAS FAMÍLIAS DE FOZA E SEUS SOBRENOMES

A linhagem dos Marcolongo, diferentemente de muitas outras famílias de Foza, teve sua origem não em um nome, mas em um sobrenome. Nós o encontramos, pela primeira vez em um Gianese (Giovanni), com sobrenome Longo.
O filho de dele, Marco, será chamado Marco Longo e seus descendentes, filhos e netos de Marcolongo.

No ano de 1481, Marco Longo esta em Valtagna, na casa do chefe da família dos Signori, um certo Guglielmo Sartor, chamado Signor; para fazer arranjos com seu filho Giovanni e os irmãos Scalco e Giacomo por uma carga de cinquenta “ripas” de vinte e quatro pés de comprimento cada uma, no valor de 17 liras e 9 centavos, a serem pagos como de costume no “posto” ou no local habitual no momento da entrega. (ASVi., Notarial Act. Battista Ferrazzo, 6 de abril de 1481).

Na ocasião de 1591, Marcolongo é encontrado na Piazza di Foza, em frente à casa da família Ceschi, junto com seu tio paterno Bonato, irmão de Gianese e filho de outro Marco... (A.S.Vi., Atto Not. Battista Ferrazzi, 15 de Junho de 1591).

A descendência de Marco Longo, como nos é apresentada pelos notários de Foza, é a seguinte: quatro filhos nascem de Marco: Donato, Nicolò, Giacomo e Gianese.
Do filho Donato nasce, Gabriele, Giacomino, Bartolo e Leonardo; e de seu filho Nicolò o mais proeminente dos Marcolongo do século XVI, (representante da localidade (município), encarregado de pagar pela construção que servirá para colocar o novo sino da igreja de Foza no ano de 1494). Em seguida nascem, Paolo e Gregório.

Por enquanto é isso!

Tanto Paolo como seu irmão Gregorio ajudam seu pai Nicolò Marcolongo em seu comércio de madeira, mas também nos pastos e na criação de ovelhas, acumulando, ano após ano, uma grande quantidade de bens em casas, terras, bosques e moinhos.

Quando ele morreu, na verdade, ninguém, ou seja, muito poucas famílias em Foza, terá tantas terras, gado e casas como o Marcolongo...
Na divisão do patrimônio paterno e materno, em 1530, Paolo filho de Nicolò, virá a ter uma parte da nova casa, construída por seu pai e irmão Donato em contrà della Villa (Piazza) e além disso: 12 campos em contrà del Pubel, outros 12 em Chemple em Valcapra, outros 20 em Zonlaite (Costa del Sole), outros seis em Lelmech em território Gavelle e 25 campos em Lampach. Gregorio, por outro lado, seu irmão, além de sua nova casa na Piazza, terá 5 campos de hortaliças perto de sua casa, 18 no oposto do Dornech em Valpiana, outros 20 no Valpiana, 8 no oposto Onstal, 7 no Pubel e 12 e meio novamente no Pubel, 16 no oposto do Staich, 8 no do Artina, outros 10 no Dornech e outros 12 no Pubel.

Além dos negócios da família (em 1535, os dois compraram a parte do moinho do seu tio Gianese, já há algum tempo em copropriedade, no rio Oliero: (ASVi., Atto Not. André Fincati, 4 de maio de 1535).
Gregório e Paolo passaram a dedicar-se as coisas do município (Comune), a partir de 1540... Em 1543, Paolo é prefeito e Gregório do conselho municipal. (ASVi., Atto Not. Gaspare Gianese, 19 de janeiro de 1543)
No ano seguinte, Gregorio, representando a administração do Conselho, recuperou a Moontanha Sasso Rosso (Pedra Vermelha) (ASVi. Atto Not. Gaspare Gianese, 11 de agosto de 1544)
Gregorio vendeu em Valstagna a Pellegrino Capra um pedaço de terra cultivável naquela localidade. (ASVi. Atto Not. Gaspare Gianese, 23 de fevereiro de 1545).

Entre a primavera e o verão de 1545, Gregorio morre prematuramente, seus cinco filhos Giacomo, Marco, Antonio, Nicolò e Giovanni, esperam dividir a herança paterna. Por vontade expressa do pai, a divisão da herança será feita com as seguintes condições: que os cinco irmãos fiquem juntos por mais 8 anos, obedecendo ao irmão mais velho Giacomo; e que eles não vendem nenhuma casa sem a sua autorização; eles têm que respeitar e obedecer seu tio Paolo, como sendo seu pai e que respeitam sua madrasta Orsola, tratando-a como mãe (A.S.Vi., Notarial Act. Gaspara Gianese, 16 de julho de 1545).

Dois anos antes da morte de Gregorio, em 1543, seu primo Gabriele morre, deixando três filhos do sexo masculino: Paolo, Stefano e Domenico. No dia 3 de agosto do mesmo ano, eles se encontraram no pátio da casa na (Chesertal), para chegar a um acordo de como distribuir os bens na sucessão de seu pai. Paolo e Stefano receberiam a casa de Chesertal, com pomar e terreno circundante, além de outros 5 campos sempre na mesma localidade; outros 5 campos e 3/4 no local chamado (Langhe Raut), outros 3 e 1/2 na localidade Hilmech (ou Lelmech) em Gavelle; e finalmente outros 40 campos perto da cidade de Steller .... deixando seu irmão Domenico 30 campos para colheitas e pastagens em Gairech, na fronteira com Chiomenti (A.S.V.i., Notarial Act. Andrea Fincati., 19 de agosto de 1543).

Os antigos morreram em meados do século XVI e apareceram as novas gerações.

Na prefeitura e nas assembléias gerais da cidade, na praça ou na própria casa de Marcolongo, no lugar de seu pai Gregorio, em 1568, há como reitor seu filho Giovanni (nesse mesmo ano ele vendeu para a cidade um terreno em contraste de Marcolonghi: A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati, 5 de janeiro de 1568), e em 1588, no lugar de seu tio Paolo Marcolongo, há, novamente como reitor, seu filho Cristano (A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati 11 de Novembro de 1567; Acto Não. Gianesino Fincati, 21 de Novembro de 1568; Acto Não. Pietro Maino, 30 de Janeiro de 1583;
No início do século XVII, nas assembleias gerais ou condenações dos chefes de família do município, havia pelo menos dez Marcolongo (sem contar os ausentes) (A.S.Vi.,Atto Not. Antonio Fincati, 20 de Junho de 1602).
A linhagem, que surgiu no final do século XV, a partir do primeiro Marco Longo, está portanto a ramificar-se e a multiplicar-se... para o melhor e o pior.

De um Giacomino era Sor Marco (que poderia muito bem ser um dos cinco filhos de Gregorio Marcolongo) descendem os dois irmãos Marco e Bartolomio que no dia 25 de Outubro de 1629, com a morte do pai, partilham os seus bens espalhados por todo o território da aldeia: no Pubel, na localidade de Berchele, na localidade de Zogo, na aldeia de Cattani, na localidade de Ghesbentle, Perenrauth e Chemple... (A.S.Vi., Atto Not. Antonio Fincati, 25 de Outubro de 1629).
Mas de um Giacomo, que poderia muito bem ser outro filho do velho avô Gregorio, sai também bandido, Vicenzo era Giacomo Marcolongo, surpreendido em 1628 no Ronchi di Gallio e entregue às cadeias, com a acusação de ter "cometido vários atos hediondos" aqui e ali no Planalto e no Vale (A.S.Vi., Act Not. Gianesino Fincati, 7 de outubro de 1628).
E talvez para apagar a vergonha da família Marcolongo, por volta de 1640, um irmão, ao que parece, chamado Gabriel, deu à comunidade a terra para a igreja e a ermitário de São Francisco (A.S.Vi., Act Not. Crestan Menegatti, 24 de outubro de 1641).

No século XVIII, os Marcolongo di Foza já deram vida a vários distritos, localizados em três dos cinco distritos: em Gavelle estão o Polent, o Valcapra, o Bos, o Valla e o Marcolongo del Chertal; em Pubel estão o Cichelar, o Cattanei e o Zanco; e no distrito de Stona, o Mercar della Valpiana (A.S.Vi., Atto Not. Lazzari, Índice de Protocolos, anos 1755-1806).

No século XIX, o Marcolongo di Piazza também conhecido como Troian (A.P.F., Libro d'Anime, 1811).

Sobrenome:

Quase todos datam, pelo menos segundo os documentos, do início ou meados do século XVIII.
Alguns estão ligados à área habitada, como por exemplo: Valla, Valcapra, Kertal (plural Kertelar). Outros são próprios ou referem-se a alcunhas dadas por outras famílias, como por exemplo: Boes, Polento, Zanco, Cichelar, Marc (plural Mercar), Cattani.
No século XIX: Cillio, Mascaro, Vester, Nap, Luserno, Sech, Bappo, Cench, Troian e Loss.
E finalmente do século XX: Mascaretto, Mascaroni, Tognetti.

(pág. 152) - Marcolongo, família
130. Os habitantes de Foza no final do século XV não passavam de duzentas pessoas, em 1527 eram cerca de duzentas e vinte e cinco, em 1571 tornaram-se setecentos, em 1587 novecentas e mais de mil no final do século.
Além da população, a riqueza também aumentou (pelo menos para algumas famílias mais empreendedoras).
Em 15 de agosto de 1531, na casa de Marcolongo, do lado oposto da Villa, os dois irmãos Paolo e Gregorio, filhos do falecido Nicolò, dividiram entre eles os bens paternais e maternais que até então haviam sido mantidos juntos.
Paolo tem em seu lote: uma meia casa, murada, ensolarada e telada, onde vive junto com seu irmão Gregorio e os herdeiros de Donato Marcolongo.

Também: um pedaço de terra, prado, arável e horta de cerca de doze campos "in Contrà del Puvel"; outro pedaço de terra arável e prado de cerca de doze campos, com meio pedaço em comum com o tio Gianese "in contrata de Val Cavra"; outro pedaço de terra de seis campos, já propriedade de Leonardo Slicter, também em Valcapra em Chemple; outro pedaço de terra de prados e "in contrata Zonlaiter" perto da estrada para Gairech; outro pedaço de terra arável e "in contrata de Lelmech" de cerca de seis campos, limítrofes das propriedades de Martini, Marcolongo e Perenzani; e outros 25 campos florestais "in contrata de Lampach", limítrofes das propriedades de Contri; finalmente, uma pequena casa com horta e um gramado, já de propriedade de Gottardo Pisfa...

O irmão Gregorio também é designado: uma parte da nova casa, murada, ensolarada e telhada, em coabitação com Paolo, com a porção do pátio.

Também: um pedaço de pastagem e terra arável, que faz fronteira com a casa do mesmo pai no oposto da Vila (cerca de cinco campos); outro pedaço de prado e terra arável "no oposto do Dornech", de cerca de 18 campos, que faz fronteira à noite com o Valpiana; outro pedaço de prado, terra arável, e que acena com um novo pedaço, amuralhado e coberto de palha, em Valpiana, de cerca de 20 campos ou mais nos seus limites; outro lote de oito campos "in contrata On Stal", na manhã de Valpiana e ao meio-dia de Dornech; outros sete campos de pastagem e terra arável "in contrata del Puvel"; outros 16 campos de terra a zumbir "in contrata del Staich"; outros 8 campos de terra zumbindo com uma pequena casa acima "in contrata de Artina"; cerca de 10 campos de terra arável e zumbindo "in contrata del Dornech"; finalmente outros 12 campos de prados "in contrata del Puvel". Para não falar de um crédito com Pietro Berti em cujos procedimentos de liquidação terá de ser acordado (A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati, 15 de Agosto de 1531).

(página 148) - Marcolongo, família
118. Entre as famílias mais importantes da região destacam-se em Foza os Marcolongo. Em 6 de abril de 1481, em Valstagna, na alfaiataria da vila, um antepassado meu "Lords", mestre Giovanni, alfaiate filho de Guglielmo, também em nome dos irmãos Scalco e Giacomo, tratou com o patriarca (fundador) dos Marcolongo de Foza e que está com Marco - Gianese Longo, para um lote de madeira para construção, a ser conduzido e entregue para meados de junho de 1481 "ad postam vie Fuzie loco consueto" e isto é, penso eu, ao longo da Via Laitte na localidade de Repossa (A.S.Vi.), B. Ferrazzo, 6 de Abril de 1481).

O comércio de madeira era muitas vezes combinado com o comércio de bois, que era necessário para transportar o material precioso para fora das florestas. Uma escritura notarial de 1492 faz-nos encontrar, por exemplo, em Valstagna, um dos filhos de Marcolongo, Nicolò para negociar por dezoito ducados de ouro a venda a outro fozato (morador de Foza), interessado como a família Marcolongo no corte de madeira, certo Domenico Sliter era Pietro, de um par de bois...(A.S.Vi.Atto Not.B.Ferrazzo, 16 de Janeiro de 1492)...

(página 151) - Marcolongo, família
126. ... Em caso de necessidade, pode-se recorrer ao moinho Marcolongo no Oliero (A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati, 4 de Maio de 1535; 27 de Dezembro de 1544)...

(página 158) - Marcolongo, família
160. A primeira resolução "estrada" diz respeito à estrada que, partindo daquela para Gallium, desce para o "Rostaic em Val Frenzela". A 4 de Setembro, o Senhor Pietro Marcolongo foi solicitado (trabalho) por Gasparo para manter a sua eficiência mesmo no Inverno. Na verdade, o Marcolongo foi obrigado:
Segundo ele, ele deve manter todas as paredes que sustentam esta estrada de forma bem regulada, etc., em tempo de enchentes.
Em terceiro lugar, terá limpar (a neve) no Inverno, nos locais habituais onde é necessário percorrer esta estrada e atirar-lhe terra, para que os animais possam andar nela com mais segurança...". ( A.S.Vi., Atto Not. F. Antonio Omizzolo, 4 settembre 1704)......

(pag.178) - Marcolongo, família
318. O primeiro litigio registrado em meados do século XVI pelos notários de Foza, remota a 1534 e diz respeito as família Marcolongo e Ghellers. A causa é dada pelo dote de Dona Lucia, que os Ghellers exigem para retornar como retórica do Marcolongo com arbitragem de duas pessoas de confiança, o Pároco Giorgio Della Costa e o senhor Martino Cappellari, teve a seguinte conclusão: Senhor Leonardo (Marcolongo), em seu nome e herdeiros do seu pai Donato, deverá dar a Pietro (Ghellers) 30 liras para completar o doto. E que Pietro deve emitir um recibo notarial de pagamento para Marcolongo. (AS Vi, Atto Not. Andrea Fincati, 1534. 9 junho; 18 julho).

(p. 175) - Marcolongo Antonio, prefeito

288. ... apresentar-se em Veneza, juntamente com os prefeitos e representantes da (Câmara) comunidade local, Antonio Marcolongo ... perante o Tribunal do Conselho dos Dez (ASVi., Not.F. Antonio Omizzolo, 4 de agosto de 1715, 9 de julho de 1715).

(p. 181) - Marcolongo Antonio

333. A.S. Vii, Act Not. Crestan Menegatti, 15 de agosto de 1662. A viúva de Pasquale Gheller, morto em uma discussão, com os Lunardi, como resultado da paz em 27 de julho de 1661, pede ao genro Antonio Marcolongo que vá a Vicenza, no Gabinete do Malefizio, para se retirar a queixa contra os Lunardi.

(pag. 413) - Marcolongo Antonio de Domenico

VAL CELARGHE. Em 2 de outubro de 1768, Antonio Marcolongo fu Domenico cede ao município de Foza, em troca de um empréstimo em dinheiro, dois campos com cem terrenos "em Contrà Valcelarghe" (ASVi., Atto Not. Michele Lazzari, 2 de outubro de 1768) .

154 - Marcolongo Zuanne, Gaspare, Marco, Antonio
146. ... E aqui está a lista dos Javalis "deste lugar que danificaram a floresta de Campo Galina e Castelieri: ... Sir Zuanne , Bernardin Marcolongo, Sir Gaspare, Pasqual Marcolongo, Sir Marco de Antonio Marcolongo, Sir Zuanne Horo chamado Peranzan, Sir Benedetto di Piero Lunardi, Sir Benedetto, Francesco di Lunardi, Sir Antonio Marcolongo , Mattio "(ASVi., também não. Marco Lunardi, 23 de agosto de 1676) ...

(pag. 169) - Marcolongo Bartolomeo
244. ... A primeira vez que o município poderá leiloar a montanha assim recuperada será em 1718. Em seguida, será cobrado de Bartolomeo Marcolongo por Antonio para 380 tronos por ano, sobre as condições habituais. (A.S. Vi., Atto Not.A. Ferdinando Omizzolo, 13 de junho de 1718).

(pag. 374) - Marcolongo Marco e Bartolamio
Cattagni. É o último distrito ou área habitada de Foza, na Via di Enego, antes de entrar nos túneis que levam a Valgadena.
Foi nomeado em um ato de divisão patrimonial dos irmãos Marco e Bartolamio Marcolongo, de 25 de outubro de 1629 (A.S.Vi., Atto Not. Antonio Fincati, 25 de outubro de 1629) ...

(página 400) - Marcolongo

POLENTI. Contrada della Valcapra, no antigo caminho Laite. Ele deve seu nome a um apelido de Marcolongo (A.S. Vii, Foza, mapa austríaco de 1835).

(pág. 159) - Marcolongo Cristiano, prefeito
169. Em 1º de julho de 1578, o prefeito de Foza Cristano Marcolongo foi a Vicenza, ao Tribunal de Malefizio, para responder pelo corte ilegal dos seus homens na floresta de Marcesina. Durante o debate ele teve que sustentar que "os homens de Foza tinham sido usados no passado para cortar madeira e trabalhar na floresta da montanha de Marcesina nessa Cidade, permitindo-lhe assim a construir uma magnifica Cidade que pela sua benignidade e graça, para que os pobres de Foza pudessem com alguma utilidade sair da vida de pobreza. Absolvidos e advertidos contra a continuação de cortes na floresta de Vicenza, os lenhadores de Foza logo retornariam ao trabalho.

(pag.47) - Marcolongo, Cristiano
No momento da renovação. em 1583..........pagar o chamado subsídio ao Príncipe, os royalties, os impostos dos Sete Municípios e tirar da prisão de Vicenza ser Cristiano Marcolongo ou de seu filho, e acabe por pagar as dívidas do município.

(pag.162) - Marcolongo Cristiano
178. ...No dia 2 de fevereiro de 1578, foi emitida uma procuração pela Câmara Municipal, com a qual os vereadores Ser Cristiano Marcolongo, Ser Valentino Lunardi e Ser Gianese Omizzolo foram encarregados de informar Vicenza sobre a situação dolorosa e insustentável da população, em contínua luta com os de Grigno...

(pag.376) - Marcolongo Domenico, Paolo e Stefano
CHESERTAL. Aquele é o Vale da Chèsera. O distrito ou área habitada deste nome aparece num acto de divisão entre os irmãos Domenico, Paolo e Stefano Marcolongo em 1543, e uma figura que faz fronteira com a propriedade da família Gheller ( A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati, 9 de Agosto de 1543 ).

(p. 392) - Marcolongo Domenico, Paolo e Stefano
LANGHERAUT. ... O nome Langheraut, no entanto, é muito mais antigo na toponímia Fozense, já aparecendo, pela primeira vez, em um ato de divisão patrimonial dos irmãos Domenico, Paolo e Stefano Marcolongo foi Gabriele do ano 1543 (ASVi., Atto Not. Andrea Fincati, 19 de agosto de 1543).

(pág. 410) - Marcolongo Domenico, Paolo e Stefano
Stellereche. No ato de divisão da propriedade dos irmãos Domenico, Paolo e Stefano Marcolongo, de 1543, em que é feita menção à localidade Stellar (v.), Também encontramos o Colle degli Steller ou Stellereche, que, evidentemente, é o mesma coisa (ASVi., Atto Not.Andrea Fincati, 19 de agosto de 1543).

(p. 317) - Marcolongo Ernesto
1979, 8 de maio. O Dia da Solidariedade é comemorado na paróquia pelo compatriota Ernesto Marcolongo, que perdeu sua casa quase totalmente em um incêndio.

(p. 275) - Marcolongo Francesco, padre
1744, 2 de julho. O cardeal Carlo Rezzonico chega a Foza no final da tarde de Gálio ...... assim como o diácono Francesco Marcolongo vive em sua casa .....

(p. 276) - Marcolongo Francesco, padre
1763, 10 de Junho. Está em Foza, vindo do Enego, o delegado episcopal, Dom Marco Corner. ... Quanto ao clero que serve na paróquia ou na aldeia, é constituído... por Dom Francesco Marcolongo de Foza...

(pag. 278) - Marcolongo Francesco, sacerdote
1763, 24 de julho. Dom Giacomo Omizzolo, aceitou a nomeação como pároco de Friola, e em seu lugar a convicção geral, reunida, como de costume, na igreja paroquial, elegeu Dom Francesco Marcolongo (A.S.Vi., Atto Not. Michele Lazzari, 24 de julho de 1763). (ASVi., Atto Not. Michele Lazzari, 24 de julho de 1763 ).

(página 142) - Marcolongo G.B.
30. Nos anos 1680-1682, por exemplo, o governador chefe foi G. B. Marcolongo (A.S.Vi., Atti M. Lunardi, 4 de Novembro de 1680; 22 de Julho de 1681; 17 de Maio de 1682).

(página 168) - Marcolongo G.B.
240. Isto pode ser deduzido da escritura notarial do notário Stefano Menegatti de 27 de Agosto de 1677. Nessa data os governadores do município G.B. Marcolongo e Battista Contri conhecidos como Trullo, em obediência ao mandato do Vigário Pretoriano Vigário de Vicenza de 13 de maio de 1677, solicitado e obtido pelo Sartori, declaram que foram ao local da disputa para "plantar os termos da pedra entre o Sasso Rosso e o Biasia... onde estavam em tempos antigos". (A.S. Vii, Atto Not. Stefano Menegatti, 27 de agosto de 1677).

(página 368) - Marcolongo G.B.
Binchel. Localidade perto de Gavelle, hoje chamada contrada Furlani.
O nome, de clara origem alemã, significa Angle (=Winkel).
O topónimo Binchel encontra-se num documento datado de 28 de Setembro de 1682, estipulado na igreja paroquial, onde os párocos da igreja G. B. Marcolongo e Francesco Chiomento, juntamente com o pároco, venderam aos herdeiros do falecido Giacomino Gheller um campo e três quartos de terra em Binchel, ao contrário do que aconteceu com Gavelle, dentro dos seus limites e por um certo preço (A.S.Vi., Atto Not. Marco Lunardi, 28 de Setembro de 1682).

(página 394) - Marcolongo, família

Marcolonghi. O distrito, que leva o nome da família Marcolongo de Fozese, uma das mais antigas e mais representativas da comunidade (ver: ASVi., Atto Not. Battista Ferrazzo, 6 de abril de 1481), já está presente na toponímia local, a partir de 1568 ( ASVi., Atto Not. Andrea Fincati, 5 de janeiro de 1568).
Muito possivelmente deve estar localizada em Valcapra.

(p. 105) - Marcolongo Gabriele
Oratório de San Francesco ...... As primeiras notícias deste oratório, erguidas pela comunidade por iniciativa de Gabriele Marcolongo, mas em benefício do padre Fra Bastian Galasin, de Foza >>, datam de 24 de outubro de 1641 ..... .

(p. 254) - Marcolongo Gabriele
1643, 2 de agosto. Os governadores do município, liderados pela Sr. Gabriele Marcolongo, renovam com Zuanne Bortolini de Marostica, e Zuanne Crestani de Bassano, um contrato para construção (acomodação) do cemitério e tore do sino ...... (ASVi., Deed Not. Crestan Menegatti, II Agosto de 1643).

(páginas 251-252) - Marcolongo Gabriele, pároco
1633, 1º de agosto. Depois de concluir sua visita pastoral a Enego, o bispo Marco Corner parte para Foza.
... Vem então o Altar da Assunção, todo em madeira dourada: é confiado à Irmandade da Madona com duzentos membros de ambos os sexos, representados pelo agricultor Gabriele Marcolongo .... (A.C.P., Visite Pastorali, XX, 420 V, 1-2 agosto 1633).

(p. 258) - Marcolongo Gabriele, pároco
3 de junho de 1659. O pároco da igreja, Senhor Gabriele Marcolongo, o reitor da cidade, Senhor Bortolo Lunardi e outros representantes do município concordaram em contratar Ser Pase Comolli de Primolano, para dourar a bola do Santíssimo Sacramento.
(ASVi., Atto Not. Crestan Menegatti, 3 de junho de 1659).


(pag. 258) - Marcolongo Gabriele, pároco
1659, 3 de Junho. O pároco da igreja, Senhor Gabriele Marcolongo, e o decano da cidade, Senhor Bortolo Lunardi e outros representantes do município concordam <<< com o Magnífico Ser Pase Camolli di Primolano vindo de Bassano para “dourar a bola” do Santíssimo Sacramento...>> (A.S.Vi., Atto Not. Crestan Menegatti, 3 de junho de 1659).

(pag. 259) - Marcolongo Gabriele, pároco
1661, 9 de Maio. Como podem ver, os padres extradiocesanos em Foza não se enraízam... Em 22 de fevereiro de 1660, a administração municipal havia encarregado ao Sir Gabriele Marcolongo para ir a Pádua ao bispo para pedir-lhe <<< pela sua bondade e misericórdia...>> que lhe deixasse um pouco mais o seu coadjutor Dom Domenico, mas o bispo, mesmo que concordasse em parte com o pedido deles, foi substancialmente inflexível (A.S.Vi., Atto Not. Crestan Menegatti, 22 de fevereiro de 1660).

(página 263) - Marcolongo Gaspare
1677, 10 de Setembro. Finalmente, sete anos após a primeira missão, o trabalho de cobertura da igreja chega ao fim, mas será realizado por uma das pessoas da aldeia, Sir Gasparo Marcolongo. Ele o fará, como acordado, <<com toda perfeição e menor custo praticado neste lugar, em Galio ou Asiago ... (ambos os "fozati" avaliam seu talento e seu trabalho em comparação com os de outras comunidades de Altopiano! (A.S.Vi., Act Not. Marco Lunardi, 10 de setembro de 1677).

(página 107) - Marcolongo Gaspare, “pároco”

... Quando Lazzari morreu (1678), a pequena capela ficou deserta por alguns anos, até que outro filho de Foza, Frei Gaspero Marcolongo (1683), aceitou também consagrar seus dias a Deus, neste lugar de solidão e oração.
A presença do Irmão Gaspero no Pubel durou até cerca de 1723...

(página 209) - Marcolongo Gaspare, “pároco”
89. O Irmão Gasparo Marcolongo, durante a visita do Cardeal Gregorio Barbarigo em 1687, apareceu vestido com seu uniforme (batina) (A.C.P., Vis. Past., LV, 218-236, 18 de setembro de 1687).

(página 210) - Marcolongo Gaspare, “pároco”
100. Frei Gaspero Marcolongo di Marco também nos foi apresentado, pela primeira vez, como eremita de São Francisco, na visita pastoral de 1687 (A.C.P., Vis. Past., LV, 18 de setembro de 1687).

(p. 269) - Marcolongo Gaspare, “pároco”
1687, 18 de setembro. Dom Gregorio Barbarigo chegou a Foza, desta vez de Gálio, para sua terceira e última visita pastoral.
...Na paróquia, na pequena igreja de São Francisco, vive como sempre o ermitão. Atualmente, ele se chama Frei Gasparo Marcolongo, da Ordem Terceira de São Francisco. Veste o uniforme e, a pedido do bispo, mostra também a sua licença, emitida pela cúria episcopal de Pádua em 18 de outubro de 1686 (A.C.P. Pastoral Visits, LV, 218-236. 18 de setembro de 1687).

(pág. 168) - Marcolongo Giacomino era M., prefeito
229. Em 23 de novembro de 1602, os herdeiros Franceschini de Valstagna, proprietários de imóveis em Foza e evasores de colheitas não pagas, confiaram sua disputa com o município ao notário G. Antonio Grassi de Valstagna e Giovanni Antonio Laste da Bassano (A.S.Vi.), Atto Not. Antonio Fincati, 23 de Novembro de 1602), O novo acordo, alcançado em 1611, será aceite e ratificado pelos prefeitos ser Giacomino Marcolongo foi Marco e ser Cristão Cappellari foi Marco (A.S.Vi., Atto Not. Antonio Fincati. 12 de Setembro de 1611).

(pag. 208) - Marcolongo Giovanni, Giacomo, Gino, Raimondo, soldados
63. ...Fora, (do Monumento à Caída) duas lápides comemoram a Primeira e Segunda Guerra Mundial.
Os caídos da Primeira Guerra Mundial (1915-1918) são quarenta e quatro e respondem aos nomes de:
...
32. Marcolongo Giovanni
33. Marcolongo Giacomo
...
Os Caídos da Segunda Guerra Mundial (1940-1945) são dezenove (incluindo seis partidários) e respondem pelos nomes de:
..
13. Marcolongo Gino
14. Marcolongo Raimondo
...
(p. 165) - Marcolongo Gian Antonio
205. Em 2 de dezembro de 1760, porém, a cidade de Foza, irritada pelos contínuos distúrbios em suas fronteiras, resolveu <<enviar dois agentes para protestar ao prefeito e aos governadores da Querida Comunidade de Valstagna, ou seja, torná-los um protetor em nome desta Comunidade, que eles se contentam em fazer seus compatriotas permanecerem dentro de suas fronteiras designadas e que eles não venham a prejudicar em nome de ninguém nos mesmos lugares designados para Foza>>>. Os dois agentes da comunidade enviados a Valstagna para o prefeito Zuanne Saltarello, serão Cristan Cappellari foi Piero e Gian Antonio Marcolongo (A.S.Vi., Atto Not. Michele Lazzari, 2 de dezembro de 1760)....

(página 141) - Marcolongo Gianese

26. O documento, de particular importância, talvez valha a pena relatar na sua totalidade.
Em 24 de Maio de 1609, em Foza <<< no caminho para o cemitério>>, o público e os condenados gerais elegeram << para os seus jurados e governadores-gerais da comunidade pública de Foza o supracitado ser Battista para Piero di Lunardi, Sir Zuanne para Marco Lazaretto, Sir Piero para Cristan Gheller, Sir Bastian para Lunardo di Alberti, Sir Cristan para Marco Capellaro, Sir Zuanne para Gregorio di Contri, Sir Cristan para Bortolo de Lazari, Sir Giacomin para Donà di Martini, Sir Francesco para Gianese della Stona, Sir Gianese para Bortolo Marcolongo, todos os dez presentes e acetanti, Sir Vicenzo para Antonio di Lunardi del Pra e Sir Domenego para Gianese di Martini ausente como presente.

Que 12 homens jurados e os governadores poderão governar todas as coisas da referida comuna de Foza, durante um ano, começando nos dias atuais e terminando em 24 de maio de 1610. Poder fazer um “trabalho”, tomar todo tipo de crédito, pagar as dividas necessárias da referida comuna, fazer um “caixa” para manter a Comuna e pagar os salários que lhe pareça conveniente. Em suma, fazer tudo isso e tudo mais que será necessário no referido ano, tendo a autoridade expressa dos jurados para resolver tudo e qualquer coisa necessária que acontecerá na referida comuna como melhor for.
Presente. Reverendo presbítero Antonio Coletto Rectore Ecclesie prete et domino Jo. de Bonaiunctis de Norsia ambodus testibus>> (A.S.Vi., Atto Not. Antonio Fincati, 24 de Maio de 1609).
......

(p. 178) - Marcolongo Gianese
  322. Alvise Lunardi Dal Prà e os irmãos Gaspero e Gianese Marcolongo, em 22 de fevereiro de 1621, fizeram as pazes no alpendre da reitoria << das feridas recebidas, disse Piero di Lunardi, de uma “facada” na barriga, por Gianese Marcolongo e Gianese della pintonada con uma bola na cabeça do referido Alvise di Lunardi no último mês de dezembro >>. (A.S. Vi., Atto Not. Antonio Fincati, 22 de fevereiro de 1621).

 
(pag. 247) - Marcolongo Giovanni, pároco
1602, 30 de agosto... Quanto à escassa renda da igreja, é administrada pelos dois párocos, em exercício há dez anos, Giovanni Marcolongo era Bartolomeo e Domenico Contri era Michele: consistia em um aluguel de renda de quatro ducados por ano e esmolas no primeiro domingo do mês e nas festas de Nossa Senhora, que são todos gastos para adoração e iluminação...

(p. 168) - Marcolongo Giovanni Battista e Gregorio
236. São inquilinos como os capelães, já mencionados, ou os irmãos Giovanni Battista e Gregorio Marcolongo fu Zuanne, que se apresentaram para contestar o não pagamento dos cultos ao município (A.S.Vi., Act Not. Lunardi, 16 de Fevereiro de 1680).

(pag. 184) - Marcolongo Gregorio, pároco
21. O primeiro pároco da fraglia de Santa Maria aparece em 1536 e chama-se Ser Gregorio Marcolongo (A.S.Vi., Atto Not. A.Fincati, 14 de Janeiro de 1536).

(pag. 235) - Marcolongo Gregorio, pároco
1536, 14 de Janeiro. No mosteiro de Campese, os prefeitos de Foza, Ser Domenico, Ser Leonardo di Pasquale, Ser Leonardo e Domenico di Contro, os párocos da igreja, Ser Gregorio e Ser Nicolò Marcolongo e o decano da cidade, Alvise di Ser Luca di Contro, presentes, após a renúncia do pároco anterior, Prior Don Placido di Novara, para aceitar, o novo pároco eleito, Don Gaspare e Ser Bernardino Gianese di Valstagna (A.S.Vi.), Acto Not.. Andrea Fincati, 1 de Janeiro de 1536).

(página 151) - Marcolongo Donato
129. Um dos primeiros documentos notariais do século XVI .... em Contrà Gavelle, ... fazendo fronteira ao norte com Donato Marcolongo, a montante com os herdeiros de Marcolongo e a sul os bens do município (A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati, 9 de Maio de 1530).

(p. 236) - Marcolongo Gregorio
1545, 31 de dezembro. Morre Don Marini, a comunidade de Foza vem às novas eleições.
No último dia do ano 1545, Gregorio Marcolongo, Zuanantonio Lunardi e Alvise Contro, deputados da comunidade, chegam a Campese, nas caves do mosteiro, para apresentar ao prior, Dom Vincenzo de Mantova, o recém-eleito... (A.S.Vi., Act Not. B.Sguario, 31 de Dezembro de 1545).

(página 272) - Marcolongo Gregorio
1738, 7-8 de julho. Zuanne Stona, Giambattista Oro e Gregorio Marcolongo, com procuração do município, concordam em derreter os sinos, Martino Picenini de Treviso, deve vir a Foza para derreter dois sinos de igreja, o maior e o menor, que não combinam bem um com o outro.
Mas Picenini, no contrato assinado na reitoria em 8 de julho de 1738, está satisfeito e se compromete a derreter apenas o maior (de 1634 libras, ou seja, cerca de oito quintais)... (A.S.Vi., Act Not. F.Antonio Omizzolo, 7-8 Julho 1738).

 (p. 382) - Marcolongo Paolo e Gregorio

  DORNECH. Ou até Dorench.

No "cimbro", significa mais ou menos Colle Arido, Secco ...
Um lugar reportado por documentos de arquivo com referência ao Valpiana, onde em 1530 os irmãos Paolo e Gregorio Marcolongo tinham dezoito campos para dividir entre eles (A.S.Vi., Atto Not. Andrea Fincati, 15 de agosto de 1530).....

(p. 210) - Marcolongo Marco
99. Em 19 de maio de 1680, o senhor Antonio Lazzaretto, decano do município, declara perante o notário de Foza Lunardi Marco, que “entregou a chave do eremitério que fica em San Francesco em Ziogo, juntamente com tudo que se encontra dentro, sendo tudo inventariado em 3 (?) 1678 ao Senhor Marco. Antonio Marcolongo aceitando as obrigações será obrigado a manter no estado e na maneira que se encontram, bem como prometer a Igreja que preservará os bosques e outras coisas para a Glória do Senhor Deus e São Francisco. "(ASVi., Atto Not. Marco Lunardi, 19 de maio de 1680).

(páginas 243-244) - Marcolongo Zaneto, Administrador (prefeito?) - Marcolongo Paolo
1587, 14 de setembro,... Inventário dos bens da igreja de Santa Maria de Foza, feito com a referida comissão e apresentada aos presentes Reverendo Jacomin de Perenzani, com curadoria e retificado na própria igreja. E Zuan Perenzan, Sir Martin de Martini, Senhor Jacomin Capelaro, todos os três prefeitos e governantes de Foza, e Sir Matio Capelaro , Zaneto e Marcolongo massaro da Igreja de Santa Maria de Foza.
.....

(p. 140) - Marcolongo Paolo, prefeito
20. A.S.Vi., Aja Not. A.Fincati, 20 de Março de 1530. Além do reitor Ser Domenico Pasquale e Lunardo, são mencionados os três prefeitos: Ser Paolo Marcolongo foi Nicolò, Ser Giovanni Menegatti, e Ser Martino Cappellari.

(p. 280) - Marcolongo Pietro, capelão
1790, 27 de Setembro. No lugar do capelão, deixado vazio por Don Bartolomeo Ceschi, vem encontrar Don Pietro Marcolongo (A.S.Vi., Atto Not. Michele Lazzari, 27 de Setembro de 1790).

(pag. 53) - Marcolongo Vincenzo de Giacomo, “bandido”
... Na verdade, tanto em Foza, como em outros lugares, havia bandidos e bandidos: bandidos, como Vincenzo Marcolongo de Giacomo, Giacomin Duro conhecido como Cisco, ou como os irmãos Marino e Valentino Menegatti de Nicolò, cuja prisão e entrega à Justiça em 1628, poderia até valer a pena trocar pela libertação de outros, e havia bandidos que, embora presos, continuavam a gozar da estima e do carinho de toda a comunidade, incluindo as autoridades públicas...

(p. 233) - Donato era Marco Longo, prefeito
1515, 22 de Agosto. Após a tempestade da guerra de Cambrai (1508-1518) com suas ruínas e devastação, a cidade de Foza, através do prefeito, Donato foi Marco Longo, e os dois conselheiros Bernardino Cappellari e Bartolomeo Ceschi, renovaram o arrendamento do Monte Miela com o convento de Campese...
(A.S.M., Fondo Religione di San Benedetto Po, Cart. 216, fasc. q: Atto Not. Gervaso Montin, 22 agosto 1515).


Observação: muitas palavras no texto original estão em dialeto e em latim, o que dificultou um pouco a tradução, procurei ser o mais preciso o possível para não fugir do contexto original. Acredito pelo que li, que as traduções em inglês e espanhol tiveram a mesma dificuldade, sendo que foram parcialmente traduzidas. Vale ressaltar que são trechos de textos, onde quem fez o resumo retirou apenas as citações aos Marcolongo.

Torna indietro

Copyright 2020 Famiglia Marcolongo.
Questo sito web utilizza i cookie per assicurarti una migliore esperienza di navigazione. Chiudendo questo banner, o interagendo con questo sito web, acconsenti all'uso dei cookie. Ulteriori informazioni
OK