As nossas raízes (Luigi Menegatti) - (Portoghese) - Traduzione di Ricardo Marcolongo Melo

As nossas raízes (Luigi Menegatti) - (Portoghese) - Traduzione di Ricardo Marcolongo Melo

Este é um dia cheio de significado e de referências às nossas raízes comuns.
Hoje recordamos, comemoramos e perpetuamos o antigo vínculo do nosso povo com os monges beneditinos.
Pode-se certamente dizer que a história de Foza se desenvolveu ao longo dos séculos sob o olhar vigilante e paterno do Mosteiro Beneditino de Campese.
Os rituais religiosos e civis, as celebrações das festividades, assim como as controvérsias com as cidades vizinhas, viram a afetuosa e constante partilha do Mosteiro que nunca abandonou o país.
Era o ano do Nosso Senhor de 1202, 20 de Setembro. A poderosa família dos Ezzelini - definida pelos historiadores como a "Família do nosso Federico", e semelhante em desenho político ao do Imperador Frederico II - cedeu a Villa di Foza o Mosteiro de Campese construído depois do ano 1100 pelo Abade Ponzio, bem no meio dos domínios Ezzeliniani.
Não escapará ao significado de "Villa" que sublinha como Foza já se tinha distinguido entre as comunidades organizadas, tanto que foi identificado como um centro socioeconômico, e não é por acaso que Foza já era mencionada em 1262 nos documentos da cidade de Vicenza como um município já formado.

De fato, Foza tinha várias famílias que desde 1300 eram prosperas, como sinal de conseguir diretamente do Bispo de Pádua a investidura dos dízimos “do feudo” de alguns municípios do Altopiano “Planalto”.
Alguns séculos antes, no ano 911, o Bispo de Pádua Sibicone tinha recebido um presente do Imperador Beringario, o “acrororo” das montanhas acima da Brenta.

Uma ou mais famílias de Foza tinham obtido do Bispo de Pádua, em 1345, o direito de dizimar, no feudo do Município de Rotzo, na qual continuaram durante todo o século.
Da mesma forma, Azzolino di Foza, juntamente com os seus sobrinhos, foi dizimado no Enego em 1351.Este feudo funcionou até 1473.

Em todo caso, a dependência da aldeia do Mosteiro de Campese, longe de ser um fardo difícil de suportar, foi antes um vínculo fecundo, que permitiu um rápido progresso civil, religioso e econômico, fazendo dos frades os primeiros benfeitores da aldeia.
O Mosteiro concedeu imediatamente aos habitantes da aldeia, a utilização livre dos pastos para o desenvolvimento da criação de ovelhas, das montanhas e dos bosques para a caça e para o comércio de madeira, e também garantiu o cuidado das almas.

A população naquela época falava a língua cimbriana, portanto os párocos também vinham de países do norte da Europa, de língua alemã.

De fato, o primeiro pároco de Foza de quem temos notícias, por volta de 1448, foi chamado Cristiano, “Teutônico”.

No mesmo ano, no dia 10 de Outubro, o Prior de Campese, solidário com a população de Foza, afirmou aos fiéis e honestos alpinos, - que por um pequeno pagamento em dinheiro e queijo pecorino, a ser pago no dia de San Bortolo – poderiam fazer uso pacífico das montanhas e o direito de nomear o seu próprio pároco.
Nos anos seguintes, em 7 de dezembro de 1472, um monge beneditino Giorgio Kunstfelden foi nomeado pároco de Foza e mais tarde outro religioso de origem alemã Filippo di Augusta. Na morte de Filippo, o prior de Campese confirmou Dom Francesco da Modena como monge beneditino, mas logo depois foi substituído por Giovanni di Alemagna.
A primeira igreja matriz em Foza, segundo o historiador Dal Pozzo, foi dedicada a São Bento, existe um vestígio de um culto particular é também testemunhado pela imagem do Santo pintada na importante tela atribuída a Da Ponte na igreja paroquial de Foza.
Após a ampliação da igreja, por volta de 1488, ela já era dedicada a Maria Assunta.

Os padres de origem alemã abandonaram muitas vezes o cuidado das almas e foram por vezes expulsos pela população, durante longos períodos a aldeia permaneceu sem o seu próprio padre. Assim o Mosteiro de Campese, nestes casos, providenciou o envio de alguns monges para celebrar a Missa.

Em todo caso, a partir de 1448 a população pôde eleger o seu próprio sacerdote, com um procedimento de aprovação pelos chefes de família que só foi interrompido em 1948.
O prior do Mosteiro de Campese, porém, reservou-se o direito de confirmar o pároco, escolhido pela população e de o apresentar ao Bispo de Pádua. Além disso, como sinal de sujeição espiritual ao Mosteiro, o pároco teve de se levar à igreja dos frades no Sábado Santo, doando uma vela.

A ligação com os beneditinos foi perpetuada até que o Mosteiro, já em profunda crise, foi suprimido por Napoleão Bonaparte, e os documentos históricos preservados ali, foram levados aos beneditinos de Mântua.
O Mosteiro de Polirone construído em 1007 pelo Conde Teoldo da Canossa numa ilha entre o Pó e Lirone. A Abadia de Polirone, à qual se juntou a Abadia de Praglia construída em 1107, era também, por assim dizer, a casa mãe do Convento de Campese.
A Abadia de Praglia também era bem conhecida na aldeia. Durante vários séculos os nossos pastores tinham encontrado hospitalidade no Mosteiro.
Eles iam para as planícies no início do tempo frio, permaneceram no posto até o final da primavera e depois subiam lentamente as margens dos rios onde voltando para casa.

No ano de 1500 encontramos nos aposentos da Praglia, Bartolomeo da Foza, enquanto em 1700 Battista Contri ficou lá com as suas 225 ovelhas.

Tradicionalmente, no dia da Assunção, o Prior de Campese vinha a Foza para participar da festividade em honra da Madonna. Há provas disso desde os tempos antigos.

Os historiadores nos dizem que desde tempos imemoriais uma multidão considerável se reunia em Foza, vinda das aldeias do Altopiano e do vale do Brenta, para prestar homenagem à imagem da Virgem Maria, venerada na aldeia. Disseram aos anciãos que a imagem tinha sido abençoada por São Prosdocimo, o primeiro Bispo de Pádua. Certamente era considerada milagrosa, possuído elevada alta estima das pessoas da montanha. Na noite que antecedia a festa dos saiam da aldeia e passavam a noite onde pudessem, muitos debaixo das majestosas faias ao redor da igreja, acendiam grandes fogueiras para se aquecer e estarem prontos para os festejos religiosos na manhã.
Após 1836 foi acrescentado um novo “festejo” muito desejado pelos chefes das famílias, fizeram um novo voto de honra à Assunção da Virgem Maria, de uma forma muito especial e solene, depois de terem escapado de uma epidemia de cólera que fez vítimas nos países vizinhos.
A cólera e a peste foram temidas pela virulência dos ataques; basta reler a descrição feita por Manzoni em seu "Promessi Sposi".
Muito antes, por volta de 1600, a peste havia esvaziado muitas vilas e cidades.

Em Gavelle - a antiga Ka Welle - uma capital foi construída em 1632 em honra de Saint Rocco, para pedir ao Santo proteção contra a peste então difundida.
Em Foza, no mesmo período entre 1633 e 1647, também foi erguida a pequena igreja de São Francisco na colina chamada Pubel.
Perto da igreja também foi construída uma pequena casa onde vivia o ermitão.

O primeiro eremita que ali viveu foi Fra Francesco Galesino e, ao longo dos anos, vários outros frades se sucederam, inclusive alguns de Foza: Fra Giobatta Stona, Fra Antonio Lazzari, Fra Gasparo Marcolongo, todos entre 1660 e 1687 e Fra Giobatta Menegatti, em 1775.

O último frade foi Fra Davide Trotto, que teve a infelicidade de ver sua igreja, dedicada ao Santo do amor, destruída pela enorme violência causada pela Primeira Guerra Mundial. Nem uma casa na aldeia foi poupada, tudo caiu sob a fúria das bombas. A população desarmada estava dispersa em mil partes. A igreja também foi arrasada, o campanário foi quebrado em dois, os sinos foram roubados e o pároco fugitivo morreu distante.

Mas as famílias voltaram e reconstruíram a igreja e as casas, reconstruíram também os oratórios de San Francesco e San Rocco.

Tudo é novo, mas não por esta razão esquecemos as nossas raízes.

Assim também este ano, após 160 anos do juramento dos nossos pais e setenta anos da reconstrução da igreja, toda a população se reencontra.

Eles honrarão o compromisso assumido por seus antepassados, subindo em procissão até a igreja de São Francisco.

As meninas levarão a imagem sagrada da nossa padroeira, passarão a estátua da Virgem junto ao monumento erguido em memória e honra dos nossos caídos nas duas guerras mundiais, passarão sob os arcos construídos com ramos de pinheiros por homens e jovens de diferentes distritos para finalmente chegar onde a tradição nos leva.
Todos voltam para casa, não mais como pastores e lenhadores como eram no passado, quando as trilhas eram feitas na mula Staik, subindo lentamente. Hoje os emigrantes são transportados por jatos modernos vindos de todos os países do mundo, onde os costumes são bem diferentes dos nossos, falam línguas desconhecidas por nós, mas todos vêm para testemunhar a mesma fé e as mesmas raízes daqueles que permaneceram.

 

Torna indietro

Copyright 2020 Famiglia Marcolongo.
Questo sito web utilizza i cookie per assicurarti una migliore esperienza di navigazione. Chiudendo questo banner, o interagendo con questo sito web, acconsenti all'uso dei cookie. Ulteriori informazioni
OK